Google+ Followers

sábado, 25 de outubro de 2014

Sol e Chuva de Outono !


Sol e Chuva de Outono!
A manhã linda, fresca e fria, que tempero de alegria!
O Sol bate na janela da casa e o vento esfria!
E a chuva de tempestade deixando o rastro de desespero!
 
À tarde com as chamas de ventos
Calorosos que esquentam e esfriam
Em temperaturas tropicais!
Em estações que são visíveis e invisíveis!
 
À tardinha vem aquele mornar do dia,
Fazendo uma mistura de abonança de Primavera e
Outono, com cheirinho de flores e frutos  rústicos.
Da Natureza Brasileira, Brasil e Riquezas Naturais!
Onde uns passarinhos se alimentam e outros sem chance
De alcança-los ao topo!
 
Sabor e beleza, onde ver-se Natureza, uma ilustre e rupestre
Visagem de cabanagem, ventos e prantos urgentes, chuva de Outono emergente,
Vida e Sol, labuta e boemia, muitos em suas vivências, vencem
O dia de clima tropicalmente, onde por traz de vida, ternura, amargura e
Doçura deixa um legado misterioso de Natureza e Gente  vivida e sofrida!
Que Natureza, Sol e Chuva de Outono, nos traz!
Autora: Adaildes Alves Moreira
 
 

Links das Músicas de meu Amigo e Amigo de Smero, o Cantor de Gospel Rap e Gaspel Fank : Luiz Augusto !

Luiz Augusto

Nome da Música: A manipulação voz do verbo part- voz da humildade

https://www.youtube.com/watch?v=3ViNyonhP1s


Nome da Música: VOZ DO VERBO O PEREGRINO

https://www.youtube.com/watch?v=E-duh7jqdj4

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Página Exclusiva para o Escritor e Poeta Marcos Fabrício Lopes da Silva !



De primeira mão o apelido que dei a ele de ser meu grande Amigo é: Marquinhos.
Marcos Fabrício Lopes da Silva: Nascido em Brasília - DF (16/09/1979), criado no Cruzeiro Novo - DF e recriado em Belo Horizonte-MG, onde reside atualmente.  A obra poética se encontra disponível no blog da República do Pensamento: www.republicadopensamento.blogspot.com
Além de poeta afro-brasileiro, ele é jornalista formado pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) e mestre em Estudos Literários/Literatura Brasileira pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (FALE/UFMG), onde defendeu, em 2005, a dissertação Machado de Assis, ele é crítico da imprensa: o jornal entre palmas e piparotes. Atualmente, na condição  de Doutor do CNPq, desenvolveu a tese intitulada Mil e uma utilidades: a contribuição da literatura brasileira para a crítica da publicidade, pela FALE/UFMG.
Marcos Farbrício lançou "Deslokado" em 2010, trabalho com o projeto gráfico de Gustavo Footloose, editado pela Árvore dos Poemas, de Diovvani Mendonça, turma criativa de Belô.  Peça de coleção, vale a pena conferir. Começaram pela figura criada a partir do nome do poeta brasiliense (vivendo em Belo Horizonte) que lembra o famoso cruzamento no Cerrado, onde começou a obra de Lucio Costa na construção de Brasília.
Foi Professor da Faculdade Fortium  2013 e, atual 2014 Professor da Faculdade JK, e outros afazeres... Filosofo, Poeta  e Escritor do Livro "doelo", 1ª Edição, ano de Publicação 2014.





Novidades sobre o Escritor Marcos Fabrício Lopes da Silva hoje: 23/03/2016.


Página de Acesso para o Original. Com as Novidades atualizadas Sobre o Autor: Marcos Fabrício Lopes da Silva. http://livrostrechos.blogspot.com.br/…/pagina-exclusiva-par….



Alvetti.com
publicidade
publicidade
TAM
Tripadvisor
Gol
RDC
Hertz
Bancorbras
Hoteis.Com

Segunda, 21 Março 2016 15:27

Exclusivo entrevista com o escritor Marcos Fabrício Lopes da Silva



Link de Acesso ao Texto : http://www.culturaalternativa.com.br/literatura/materias/item/7165-exclusivo-entrevista-com-o-escritor-marcos-fabricio-lopes-da-silva

"Marcos Fabrício é poeta, professor e articulista do Cultura Alternativa"

"Fale um pouco da sua vida, onde nasceu, etc. Lembre-se que o leitor na internet gosta de concisão. Ser conciso é fundamental.
É assim que o mundo me chama: Marcos Fabrício. Por escolha bonita dos meus pais: Deusina e Marco Antonio. Do grande amor dos dois, vim ao mundo e cá permaneço, entre o falar do travessão e o sossegar do travesseiro. Nasci em Brasília-DF, obra de dois candangos: um mineiro e uma maranhense, minhas origens. Dois irmãos me acompanham com muita sinceridade e ternura: Carlos Felipe e João Pedro. Com Felipe, meu professor de ética, aprendi várias virtudes: dentre elas, o talento de ser vários; dentre as possibilidades, existe “o dom do autismo”, conforme se revela o título do saboroso livro, escrito pelo psicólogo Manuel Vázquez Gil. Com João, vieram as lições de simplicidade com harmonia, trazendo o bom gosto da discrição, da amorosidade e do espírito esportivo. 
A maior parte da minha travessia se deu no Cruzeiro Novo-DF, onde colhi preciosas lições da “vida da escola” e da “escola da vida”. Jogando bola, percebi que o mundo dá voltas: ora vem o gol contra, ora surge o gol de placa. Sou flamenguista de coração e gosto muito do universo futebolístico, incluindo seus achados e perdidos metafóricos. Experimentei viver em Belo Horizonte, capital mineira, por dez anos (2002-2012), o que me trouxe êxitos afetivos, acadêmicos e profissionais valiosos. Lá, vivi experiências de alteridade fabulosas, com destaque para a bela consciência de minha digna negritude. A partir dali, avancei como pesquisador nas relações entre literatura e etnicidade. Integro, desde 2005, a rede de pesquisadores do Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Alteridade (NEIA), vinculado à Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (FALE/UFMG). No site do literafro (www.letras.ufmg.br/literafro), que engloba escritores da literatura afro-brasileira, desde a Era Colonial até à Contemporaneidade, nossa obra literária e ensaística encontra-se contemplada e bem acolhida.
Em 2013, voltei aos braços da Capital da Esperança e continuei escrevendo minha história pelas linhas tortas do livre arbítrio. Moro, desde 2014, na Asa Norte, em uma kitnete, metade biblioteca, metade discoteca. Em termos profissionais com pitadas amadoras, fui colecionando habilidades e competências: como conhecedor da máquina pública, fui assessor de imprensa e auxiliar administrativo. No jornalismo, cuja formação acadêmica se deu no UniCEUB-DF, realizei significativas reportagens e há anos, dedico-me a escrever, predominantemente, artigos de opinião e resenhas. Venho sistematicamente pesquisando sobre o papel social da mídia.  Nesse sentido, por exemplo, desenvolvi a dissertação de mestrado “Machado de Assis, crítico da imprensa: o jornal entre palmas e piparotes” (UFMG, 2005) e a tese de doutorado “Mil e uma utilidades: a contribuição da literatura para a crítica da publicidade” (UFMG, 2013). 
É bom que se destaque: graças à poesia, saí do lugar do sossego para me lançar na “sala de ser”, conforme termo lapidado pela pedagoga Mariane Rodrigues. Como escritor e leitor, alimento-me diariamente do manjar de versos que se colocam à disposição da gente. Desdobro-me como professor universitário, na missão extraordinária de contribuir para a educação da sociedade, incluindo minha própria formação continuada, existencialmente falando. Passei pelas Faculdades Promove de Sete Lagoas-MG, Fortium e JK, no Distrito Federal. No coração do Planalto Central, exerço meu nobre ofício na Faculdade Ascensão. Por último, digo com muito orgulho que “as comunidades de aprendizagem” são as grandes responsáveis pela composição polida da minha personalidade, com destaque para a rede de proteção social que me acompanha amorosamente e com respeitabilidade: lúcidos e lúdicos, familiares, amigos e andarilhos frequentemente se colocam à disposição com sincero carinho. A eles, dedico meus agradecimentos especiais pelas grandes lições de convergência e divergência, contemplando a ordem racional e o compasso das emoções. 

 Agora um breve currículo literário?
Deixemos o termo currículo literário para os beletristas ou para os gestores do conhecimento. Prefiro expressar deslocamentos relevantes do meu plano de voo literário. Foi o plano B que se tornou o pleno A da minha vida. Comecei pela vontade do Outro para depois chegar ao desejo por mim permitido em termos de iniciativa própria. Desde criança, escrevo cartas, diários e redações. Lembro-me das cartas de amor que escrevi, quando garoto, para o namorado da cuidadora do nosso lar, a pedido dela; em troca, ganhei batata-frita no almoço, pudim no lanche e seriado japonês no jantar. Li muito gibi e literatura infanto-juvenil durante o percurso da curiosidade. Como experiência marcante de leitura, tenho como boas lembranças Maria vai com as outras, escrito por Sylvia Orthoff, e Marcelo, martelo, marmelo, produzido por Ruth Rocha. Nos tempos de moleque, a Turma da Mônica, de Mauricio de Sousa, me encantou mais do que o Sítio do Pica-Pau Amarelo, de Monteiro Lobato. Pedagogicamente, meu livro de cabeceira é Uma professora muito maluquinha, do Ziraldo, obra acionada por mim bem mais tarde, já adulto. Tal livro me serviu de portal para as obras de Paulo Freire, com destaque para a Pedagogia da autonomia. Machado de Assis, nosso notável escritor, surgiu enquanto experiência surreal no 2º. grau e como causa de estudo maior, a partir da Faculdade de Jornalismo, por sugestão abençoada dos queridos mestres Lundhe Braghini e Antonio Barros. Desde ali, sobre as crônicas do “Bruxo do Cosme Velho”, dedico atenção maior e deste grande encontro surgiram, dentre outros feitos, a monografia, a dissertação e a tese, além de artigos, ensaios, resenhas e comunicações disponíveis virtualmente e de forma impressa. 
Livros que abriram as portas da percepção: Um autista muito especial (Deusina Lopes da Cruz);  Carta ao Pai (Franz Kafka); A metamorfose (Franz Kafka); O velho e o mar (Ernest Hemingway); Crime e castigo (Fiódor Dostoiévski); Quarto de despejo (Carolina Maria de Jesus); A descoberta do mundo (Clarice Lispector); A hora da estrela (Clarice Lispector); Memórias Póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis); Papéis Avulsos (Machado de Assis); Recordações do Escrivão Isaías Caminha (Lima Barreto); Hospício é Deus (Maura Lopes Cançado); Artesanato de Perguntas (Carla Andrade); Rosinha, minha canoa (José Mauro de Vasconcelos); O grande mentecapto (Fernando Sabino); A morte e morte de Quincas Berro D’Água (Jorge Amado); Vidas Secas (Graciliano Ramos); Grande sertão: veredas (Guimarães Rosa); O bagaço da laranja (Nicolas Behr); Cidade de Deus (Paulo Lins); Escarro (Gustavo Lucas de Oliveira); Os monstros nascem anjus (Nov@to); Primeirapessoaplural (Lecy Pereira Sousa); Crônicas de São Paulo (Daniel Munduruku); Transpaixão (Waldo Motta); A montanha mágica (Thomas Mann); Os nove pentes d’África (Cidinha da Silva)...
Pensando em escrita de auto-permissão, devo minha estreia deliciosamente amadora à República do Pensamento, que se notabilizou como morada criativa, coletivo poético e blog literário (www.republicadopensamento.blogspot.com). Dali, fui me fortalecendo no papel de sensibilizador poético, tendo a rica oportunidade de trabalhar para o Projeto Pão e Poesia na Escola (2011-2012) como monitor e coordenador pedagógico de oficinas de produção literário voltado para o público infanto-juvenil. Os livros, de caminhada autoral, contaram sempre com edições interdependentes, fruto de um magistral trabalho coletivo que ajudou a gerar meus três “filhos” literários: Dezlokado (2010), Doelo (2014) e Chapa Quente (2015). Todos compostos por poesias afetivas e afetadas.
Virtualmente, disponibilizo meu fazer poético na internet. Participo regularmente de vários encontros de poesia, dos acadêmicos aos mais alternativos, por assim dizer. Experiência de interatividade muito rica. Serve para sentir “o calor da moçada”, numa escala hipermoderna que, no fundo, é o espírito do tempo atualmente.  A literatura é, por excelência, libertina e libertária, o que nos permite vivenciar outras temporalidades e espacialidades. Escrever para mim evita que eu tenha aquela velha opinião formada sobre tudo, como alertava o elogio da “metamorfose ambulante”, feito pelo músico-poeta Raul Seixas. 

Você acha que o Brasil respeita o escritor?
O Brasil são vários. Em tese, quem mais respeita o escritor, na prática, é quem mais desrespeita a categoria em questão: refiro-me aos críticos aborrecidos que norteiam seus calibres interpretativos para trucidar iniciativas literárias que escapam ao ideário canônico eleito por eles mesmos. Causa grande estrago cultural a disseminação da arrogância e da indiferença como estilo avaliador predominante. A atenção esmerada vinculada com a gentileza propositiva ficam em segundo plano nesta atmosfera apreciadora, salvo honrosas exceções. Os letrados fazem mal pior à literatura do que os leitores sedentários. É só observar certas escolhas literárias que ainda se amparam em conceitos precipitados, como os de “alta cultura” e “baixa cultura”. Quem endeusa Machado de Assis e demoniza Paulo Coelho ou vice-versa ainda está sob os efeitos do “AI-5 mental”. Excesso de dogma e falta de hermenêutica circulam a todo vapor como “herança maldita” da nossa formação literária. Experimente estudar o Quinhentismo Brasileiro, subvertendo a ordem convencional: comece pelo livro Crônicas de São Paulo: um olhar indígena (2004), escrito por Daniel Munduruku; em seguida, visite a obra Carta a el Rey D. Manuel (1500), formulada por Pero Vaz de Caminha. Depois de nove meses, você vê o resultado...
O Brasil desrespeita o escritor com o conto do vigário chamado direitos autorais. Como ainda impera o Direito de matriz positivista e obcecado em vigiar e punir as pessoas, como bem critica o filósofo francês Michel Foucault, os princípios do zelar e compreender são ignorados quando o tema é proteger a propriedade intelectual, mesmo que essa prerrogativa signifique coagir a liberdade criativa e seus experimentalismos de toda a ordem, principalmente no campo da construção artística e literária. O fetiche da originalidade como ideologia do ineditismo tenta constranger as experiências autorais, ignorando, por completo, o que, certa vez, disse o crítico e poeta inglês T.S. Eliot: entre a rede textual produzida ao longo da história da humanidade, o que existe, de fato, é o diálogo paródico e parafrástico envolvendo o talento individual e a tradição literária. Literatura é desdobramento, com movimentos conservadores e revolucionários de composição simultaneamente acionados pelos autores, considerando também a polissêmica estética da recepção que os cercam. Essa história de marco zero da criação serve muito mais para lamber as botas de um setor reacionário da sociedade que quer determinar o que é e o que não é literatura para o público-leitor, como se tal operação fosse possível e legítima. 
O Brasil desrespeita o escritor quando impõe um horizonte dogmático para ele seguir, no sentido asqueroso da gramática do sucesso, imposta pelo marketing cultural predatório. Exemplifico o que digo: as livrarias comerciais têm o costume de colocar os livros de autoajuda, de marketing, de celebridades e de espiritualidade no primeiro plano de suas prateleiras; enquanto isso, os livros de poesias ficam “descascando batata no porão”. 
O Brasil desrespeita o escritor quando as leis de incentivo à cultura privilegiam os medalhões e não dão bola à “prata-da-casa”.  O Brasil desrespeita o escritor quando se desliga do livro pra ligar sempre a TV. O Brasil desrespeita o escritor quando não reconhece no livro sua maior tecnologia de ponta. 
Quando o Brasil respeita o escritor? Em todas as experiências protagonizadas pelo povo brasileiro, em que a educação foi a ordem, e a cultura, o progresso.  Em todas as experiências protagonizadas pelo povo brasileiro, em que o prazer da leitura venceu a força do hábito. Em todas as experiências protagonizadas pelo povo brasileiro, em que o livro deixou de ser um objeto de decoração para ser um símbolo de comunhão entre as pessoas. Em todas as experiências protagonizadas pelo povo brasileiro, em que foi possível sentir autenticamente o livro “como um machado para quebrar o mar de gelo que há dentro de nós”, como destacava Franz Kafka. 

Dê ideias de como a sua literatura e a nacional poderiam ser mais valorizadas?
Assumo a minha tecnostalgia e, por isso, vibro cada vez mais com o poder de transformação racional e sensível que o livro proporciona. Templo da sabedoria que oferece o tempero do conhecimento. Livro aberto é convite pra arejar a mente, pra auxiliar o coração na batida percussiva das nossas vibrações emocionais. Isso não impede de reconhecer o suporte de luxo oferecido pelas redes sociais, a começar pela geração de escritores e leitores que floresceu a partir dos sites e dos blogs. Na vitrine do momento chamada Facebook, a literatura também aparece em meio a tantos outros estímulos comunicacionais. De todo o modo, penso no papel fundamental da mídia na projeção expositiva e argumentativa das obras literárias. Verifico na rede resenhas gravadas em vídeo, com material bastante atraente e elucidativo. O design, dentro da caminhada imagética, é parceiro fundamental para evidenciar positivamente o campo literário. As adaptações cinematográficas oferecem outras possibilidades de leitura que ampliam o potencial interpretativo de determinada obra que foi inicialmente germinada em livro. Há uma série de oficinas e exposições espalhadas pelo país afora com o objetivo de difundir a leitura, a produção e a interpretação de textos, em formatos supertransados e interativos. As escolas, apesar dos pesares, são instituições de vanguarda na promoção da literatura brasileira, inclusive no campo fecundo dos debates a respeito. Os sebos se colocam como relevantes livrarias na promoção do acervo literário, articulando o passado com o presente editoriais. Acredito que a grande mídia poderia oferecer maior espaço para a divulgação crítica da obra literária, para além da propaganda propriamente dita. O surgimento de revistas especializadas mostra que há público interessado em adquirir o seu maior patrimônio imaterial: a cultura literária. A disposição de arquivos no youtube, com uma série de possibilidades de exposição do campo literário brasileiro, é salutar para o aquecimento fecundo das reflexões críticas, no bom sentido do termo. O conceito de biblioteca vem sendo repensado, saindo do contexto de gabinete, para alcançar estações de metrô e ônibus, e até mesmo açougues culturais. Fico pensando no papel da recepção dos consultórios enquanto mídia estratégia para expor a nossa literatura. Ler é saúde. Penso que os professores precisam trazer à tona para o bom estudo de nossa literatura a relação desta com as outras artes e demais mídias. A Literatura é a experiência melhor sucedida em matéria de transdisciplinaridade, na minha opinião. Por isso, a contribuição dela para a compreensão mais ampliada do cenário epistemológico é notória. Por último, sugiro a “literapia” como prática importante em matéria de gestão criativa da saúde mental. Ler é aprender a ser gente com g de gigante pela própria gentileza. 

Quais os livros que já publicou e se existem livros no forno, prontos para sair?

Livros publicados, individualmente: 
SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Dezlokado. Belo Horizonte: Emcomum Estúdio, 2010. 20 p.
SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Doelo. Belo Horizonte: Rede Catitu Cultural, 2014. 60 p.
SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Chapa quente. São Paulo: Baraúna, 2015. 

Participação em coletânea:

SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Quando o chicote sai da minha boca. In: MELLO, Regina (Org.). Antologia de Ouro Museu Nacional da Poesia. Belo Horizonte: Anome Livros, 2010. s/p.
SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Centro da gravidade. In: MELLO, Regina (Org.). Antologia de Ouro Museu Nacional da Poesia. Belo Horizonte: Anome Livros, 2010. s/p.
SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Tempo de dar tempo ao tempo. In: PENA, Brenda Marques. Nós na poesia + 20 Nosotros. São Paulo: Himpeto Editorial, 2012. p. 76.  
SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Es hora de darle tiempo al tiempo. Trad. Brenda Marques. In: PENA, Brenda Marques. Nós na poesia + 20 Nosotros. São Paulo: Himpeto Editorial, 2012. p. 76.  
SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Pra não dar bandeira. In: PENA, Brenda Marques. Nós na poesia: vozes da rua. São Paulo: All Print Editora, 2014. Contracapa.
SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Cansaço. In: SILVA, Eliane Maria Arruda; CARNEIRO, Francisco Bernivaldo; BEZERRA, Maria Linda Lemos (Orgs.). Diálogos literários: antologia da Aljug. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2015. p. 127. 
SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. O conto da primeira dose In: SILVA, Eliane Maria Arruda; CARNEIRO, Francisco Bernivaldo; BEZERRA, Maria Linda Lemos (Orgs.). Diálogos literários: antologia da Aljug. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2015. p. 128-132."

Link de Acesso para Leitura e acessar os Vídeos a baixo da entrevista com Marcos Fabrício Lopes da Silva:

http://www.culturaalternativa.com.br/literatura/materias/item/7165-exclusivo-entrevista-com-o-escritor-marcos-fabricio-lopes-da-silva

SILVA, Marcos Fabrício Lopes da. Chapa quente. São Paulo: Baraúna, 2015.


sábado, 18 de outubro de 2014

Em Primeiríssima Mão, o 9º livro da Escritora e Poetisa: Adaildes Alves Moreira, Publicado !

 

Título: 7 Livros de Ada em Volume Único

Subtítulo: E Todas as Sinopses dos 7 livros e Biografia de: Adaildes Alves Moreira
 


 
 

Sinopse

Este livro trata-se da reunião dos 7primeiros livros publicados da Escritora e Poetisa : Adaildes Alves Moreira, em um único volume, e ficou um fora do volume único: Amor, Intrigas, Paixão e Amizade , por falta de espaço dentro do livro A5 PDF, mas agora mudando de assunto, por esse fator de publicação, os leitores terão melhores acessos as Obras da Autora, onde aqui trás informativos de contatos e e-mails que possam corroborar para compras dos livros digitais da autora, e ainda contém a vida e referências da vida da escritora... É um livro interessante que pode caber no bolso de muitos leitores, boa compra e boa leitura aos leitores. Abraços !

Bulinando ( Bulingue).

_ O Bulingue não trata-se somente de apelidos, violência física , moral e mental, trata-se e retrata o retrato precário em que as famílias vem vivendo no mundo, basta olhar a cada esquina, existem pessoas gente, gritando por socorro, socorro, socorro ! A fome dói, a falta de moradia dói, a falta de estrutura dói... E o Bulingue na vida de quase todos do mundo dói , e o pior que esse tipo de situação e ação é cometida por pessoas, por gente que vivem para prejudicar o outro dentro da sociedade!
Terceiro: O mundo falta melhorar, a condição de vida do ser humano falta alcançar plenitude, enquanto as pessoas forem Bulinados e sem direitos a nada nesta vida, faltarás sempre um progresso de serem pessoas com estruturas e boa vida de Humanização. E a questão é essa a Bulinação da vida das famílias deve acabar, porque as pessoas tem direitos de viver no mundo e com qualidade, com segurança, e se as portas, o progresso, a falta de Educação de qualidade, a falta de consciência, de sermos humanos, de querer o crescimento do outro falta sempre, a desordem e os "caos" do universo serão sempre os Bulingues na vida de todos que vivem em sociedade !
Adaildes Alves Moreira

Categorias: Ficção e Romance, Diversos, Biografia e Testemunho
Palavras-chave: completa, literatura, livros, todos, volume, único

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 699

Edição: 1(2014)

Formato: A5 148x210

Coloração: Colorido

Acabamento: Brochura c/ orelha

Tipo de papel: Offset 75g

 

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Livros e Contatos de: Adaildes Alves Moreira

por Adaildes Alves Moreira

https://clubedeautores.com.br/books/search?utf8=%E2%9C%93&where=books&what=adaildes+alves+moreira&sort=&topic_id=


Livrospaginasadaildes.blogspot.com

http://livrostrechos.wordpress.com
 
http://livrostrechos.blogspot.com.br/

http://livrospaginasadaildes.blogspot.com.br/

http://floresecomentarios.blogspot.com.br

Sobre o autor

Mini
Autora: Adaildes Alves Moreira Sou Adaildes Alves Moreira, nasci no dia 01/01/1974, casada, tenho três filhos, Empresária dona da "Construtora Moreira e da Empresa de Malharia e acessórios Smero Grafiti Art", cada capa de meus livros são pinturas de Grafites em Arte feitas por Smero: Jefferson Alves Moreira, é importante saber que o Smero pinta manualmente os grafites só com uma latinha de Spray apropriado para o Grafite e as pinturas em óleo em tela ele pinta com pincel manualmente, como a pintura da Bandeira do Brasil no livro ele pintou com tinta manuseando um pincel e ficou linda a pintura da rua no livro: "Histórias sobre Francisco e Algumas Infâncias" . Eu sou: Mulher, Escritora, Poeta ou (poetisa, eu) que faz a Poesia. Poetiza Comediante ( o meu modo de ação do verbo de (escrever e poetizar a Poesia), e Professora: Adaildes Alves Moreira, graduada em Letras/Licenciatura pela Faculdade Fortium-GAMA-DF em 2013, Estudante de Pós-Graduação em Gestão e Orientação Educacional em 2014, pelo Instituto de Capacitação Profissional IDECAP-GAMA DF. Estou escrevendo livros, me considero uma escritora Romancista Contemporânea , Poeta (trabalho em meus textos as linguagens Coloquiais Propositais), pois também me formei além de Linguística em Português e Literatura me formei também na Sociolinguística ( adoro escrever a maneira que a pessoa fala em meus textos, porque um dia uma pessoa me disse: "você fala melhor do que escreve" e essa crítica me deu mais vontade ainda de escrever, e sei agora que por mais que uma pessoa escreve, ele nunca vai atingir o mais "correto", porque o que se diz "correto" não existe, os falares são mudados com o passar dos tempos, as "palavras" se renovam a cada dia e escrever, simplesmente deve pelo menos acompanhar a fala das pessoas, o antigo deve existir para comparações de como estão sendo escritas as novas "palavras"de hoje ). Sou ainda, Cronista, Contista, Autobiográfica, Filosofa e muito mais... Depende de cada momento da minha inspiração com responsabilidade para escrever.
Todos os meus textos, poemas, poesias, poderão ser feitos críticas em Blogs, Sites, Facebook , em Rede Social, programas, revistas, jornais, meios escolares, acadêmicos, podem utiliza-se para qualquer fins críticos, abraços !
Moro em Santa Maria Norte DF. Meus Contatos:
https://twitter.com/adaildes3
https://www.facebook.com/ada.al.37
adaildianaalvesmoreira@gmail.com
 
 
Poemas, Meus Recortes!

Poesia de Coletânea, m

Sinopse

É um livro completamente Poético, onde trago Crítica Literária, fazendo com que a Poesia pode ser lida de várias formas. São meus acrósticos, meus recortes de vida, dando vida a poesia, seja de lição de vida ou de amargura, ou do outro, observada. Aqui no livro, tudo é a Poética, tudo é Poesia!
Categorias: Livros E Leitura, Desenho, Poesia, Crítica Literária, Artes
Palavras-chave: acrósticos, amor, crítica, leitura!, poemas, poesias, recortes, sabedoria, vida

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 120

Edição: 1(2014)

ISBN: 978-85-65826-35-8

Formato: A4 210x297

Tipo de papel: Offset 75g eu mundo Mágico!


 
As Músicas de Ninar, Fotos em Arte, a Bebê, Crônicas Infantis e Juvenis, Tem Poemas e Poesias!

A Vida de Angelina Alves Moreira


Sinopse

Neste livro encontram-se harmonicamente, algumas figuras de linguagens da vida real em cada trecho, onde a vida da personagem Angelina Alves Moreira é retratada com desenvolvimento de seus primeiros passos de vida. No livro segue o nascimento de uma criança feminina, que nasceu e têm a felicidade de brincar... No livro existe músicas de ninar, poesia, crônica, biografia da autora, arte em foto, e pode ser considerado um livro para criança e também para adultos. Quem já não foi uma criança? Quem não gosta de relembrar os primeiros passos de carinho da família? Criança deve ser sempre tratada com Amor. E no futuro o sucesso é a estrutura, educação e o equilíbrio da criança em sua postura intelectual.
Categorias: Técnicas, Atividade, Artista Individual, Infantil, Biografia e Testemunho, Artes
Palavras-chave: a, arte, as, bebê, crônicas, de, e, em, fotos, infantis, juvenis, literatura., músicas, ninar, poemas, poesias, tem

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 29

Edição: 1(2014)

ISBN: 9999081187988

Formato: A5 148x210

Coloração: Colorido

Tipo de papel: Offset 75g
 
SMERO, o Garoto Desenhista em Minhas Coletâneas.

3- Smero Graffiti Art ® 2014.


 

Sinopse

É uma literatura juvenil que exibe a Arte dos Meninos grafiteiros, em que a Arte do menino SMERO: Jefferson Alves Moreira, é demonstrada de várias formas, contêm cenas de uma crônica falada, em que não aparecem personagens , só em alguns trechos, aqui nesta obra é muito típico da nova era da mocidade que estuda, desenha e ainda tempo para tecnologia... Era em que o Grafite está na moda!
Categorias: Pintura, Desenho, Artista Individual, Literatura Infanto Juvenil, Artes e Entretenimento, Artes
Palavras-chave: arte, ficcção, grafite., juvenil

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 45

Edição: 1(2014)

ISBN: 978-85-65826-39-6

Formato: A4 210x297

Coloração: Colorido

Tipo de papel: Offset 75g
 
 Vidas Vividas, Sua e Minha

1-História de Vidas Vividas


Sinopse

Vidas Vividas, Sua e Minha é um livro que conta histórias de vidas de personagens real e ficcional, como a história do Senhor Juarez que é um personagem que cresceu na vida por meio da Construção Civil e ainda consiste uma boa parte das histórias concentradas em memórias de personagens que se passaram por sua vida, dentre dos personagens importantes seus familiares e outros. Cada trecho feito sobre a vivência dos personagens inicia-se um retorno de história que se encaixa em uma literatura biográfica ficcional e de testemunho de suas vidas como a história de Dazinha filha de Marlene e Temedeu, um diálogo por cartas da mãe de Dazinha : Cartas. e ainda a vida de Ana mulher que sofreu grandes injustiças e maldades de seu marido e outros acontecimentos em uma mine crônica ficcional. Os textos , as crônicas e as peças Teatrais fazendo uma difusão de história entre os personagens . Os leitores podem torna-se coautores e autores dos textos por seu imaginário. E em Morre e Renasce de certa forma existe o renascimento da mãe de Dazinha contada em outra versão que era um princesa na ralidade que em outras vidas e sonhos era outra personagem.
Categorias: Casamento, Amor E Romance, Família E Relacionamentos, Biografia e Testemunho, Biografia
Palavras-chave: história, vidas

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 82

Edição: 1(2014)

ISBN: 9788565826341

Formato: A4 210x297

Tipo de papel: Offset 75g
 
 
 
 
 
Histórias sobre Francisco e Algumas Infâncias

4- Histórias sobre: Uns Meninos e Algumas Meninas


 

 

Sinopse

Foram crianças e, que viveram na sua infância várias situações e agora adultos como Francisco Alves Moreira, que teve poucas brincadeiras em sua infância e conta como é a capacidade de vencer tantas barreiras na vida . E são pessoas talentosas mesmo com as dificuldades no mundo de hoje, e cada momento do passado delas de uma infância boa ou não, mas, existe um “OK” de diferença na vida e com essas dificuldades superaram na vida e poucos não tiveram a mesma sorte como O Menino Aventureiro da historia deste livro. _Assim podemos retirar alguns exemplos dos textos, depende da vida que cada uma viveu em sua infância e queira construir, podem observar principalmente uma família estruturada que é diferente da família com sérios problemas.
Retrata também no livro Quadrinhos feito por Smero, e trechos em alguns textos retratando o Bullying na escola e no meio social, e ainda a vida de alguns jovens de hoje e escola como educação. Pode-se considerar um livro com pequenas crônicas e também têm poemas, além de textos.
_E o caminho é uma boa Educação no Brasil e no mundo !
Categorias: Poesia, Literatura Infanto Juvenil, Educação de Filhos
Palavras-chave: contos, crônica, desenho, ficção, juvenil, juvenil.

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 49

Edição: 1(2014)

ISBN: 978-85-65826-36-5

Formato: A4 210x297

Coloração: Colorido

Tipo de papel: Offset 75g
 
Amor, Intrigas, Paixão e Amizade.

2-Amor Poética e Poesia em um Romance


 

 

Sinopse

É uma linda história que conversa alguns personagens em cenas de amor, declamações de poesias, pensamentos e cada um dos personagens vive a cada dia grandes emoções. Calicuth e Nelly são personagens principais da história, ultrapassam barreiras para viver um grande amor que não deu certo, pois havia o preconceito de suas famílias em relação à condição e origem dos dois. E dentro da história existem músicas, poemas, músicas em que iam aparecendo em questão dos relacionamentos a cerca dos personagens. Também no livro demonstra a sensualidade dos personagens, humor e elegância com cenas picantes na conversa entre eles!
Categorias: Popular, Musicais, Composição, Relacionamento Conjugal, Música, Ficção e Romance
Palavras-chave: amor, crônicas, e, paixão, romances, Ódio

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 62

Edição: 1(2014)

ISBN: 978-85-65826-33-4

Formato: A4 210x297

Tipo de papel: Offset 75g
 
 
O Fantasma e as Borboletas Amarelas no Jardim Encantado!

Um ponto de: Exclamação ! e mais um de interrogação?


Sinopse

É um livro de Literatura para crianças e adolescentes, são Crônicas e Contos que os levam á vários imaginários! A literatura infantil, faz com que a criança criem suas próprias autorias, é um livro que pode ser além de lido, a criança pode desenhar usando o espaço cedido no livro... E também existe explicações dos cuidados com os bichos de estimações, e conscientização do "Meio Ambiente", Natureza é beleza, é paisagem !
Tem a Poesia:

Onde estão as Borboletas?


Quando eu era pequena, ainda
uma menina inocente, ficava
horas observando as Borboletas
do meu quintal.Às vezes as do rio
da fazenda pareciam mais bonitas,
cada uma com sua exuberância
de Borboleta colorida.Hoje
as procuro quase não as vejo.

Meu jardim esta deserto e em
outros também.Os rios já se encontram
em silêncio e sem o colorido delas.
Onde estão as Borboletas? Será
que estão escondidas, esperando
a primavera?A resposta pode está
no descaso com a Natureza

ou

pode ser que foram extintas dos
jardins.Também há opção de não ter
jardins como antigamente.As
flores talvez perdessem seu perfume, sua
beleza, e elas, as Borboletas,
não se interessam mais pelas

mudanças.

Estou agora adulta e gostaria
de vê-las novamente,só estão
no meu pensamento e quem pode me dizer,
onde estão elas?Ouvi dizer que quando
a gente cresce, perde o encanto
por algo, só que me parecia tão real!
Perdendo ou não o encanto, vejo
poucas delas voando pela atmosfera
de alguns jardins.
Autora: Adaildes Alves Moreira
Poesia corrigida pelo meu Professor de Leitura e Produção de Texto I,II, Fonética, Prática de Leitura e Produção de Textos , Sintáxe , da "Faculdade Fortium-Gama-DF, no meu 3º Semestre de Letras, "Fábio Pereira Couto", Mestrado em Linguística pela "UNB " e Doutor.
Categorias: Pintura, Desenho, Atividade, Literatura Infanto Juvenil, Jovens e Adolescentes, Artes
Palavras-chave: artes, desenho, imaginação!, infantil, infanto-juvenil, juvenil, literatura

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 30

Edição: 1(2014)

ISBN: 978-85-65826-37-2

Formato: A4 210x297

Tipo de papel: Offset 75g
 
 
Crônicas de Ada

Meu Telhado é Firme, o Seu é de Vidro!


 

Sinopse

Este livro é extremamente de Crônicas de intrigas, inveja, brigas de vizinhos, fofocas, malícia. A principal personagem é Dona Quitéria uma mulher completamente amarga, fofoqueira e perversa... São mines Crônicas que aparecem no decorrer da historinha, cada dia os personagens superam suas intrigas e são as línguas afiadas da vizinhança!
Categorias: Relacionamentos, Família, Adulto, Humor, Ficção e Romance, Drama
Palavras-chave: crônicas!, encrencas, falas, intrigas, inveja, vizinhos, ódio

Características

Cover_front_perspective
Número de páginas: 27

Edição: 1(2014)

ISBN: 978-85-65826-38-9

Formato: A4 210x297

Tipo de papel: Offset 75g

sábado, 11 de outubro de 2014

Tem gente na Sociedade pior que bicho raivoso !

_"Sabe, quanto mais eu rezo mais assombração me aparece !" Bater em pessoas pelo que elas são, pelo seu modo de ser?
É tanta maldade dentro de pessoas que se dizem ser pessoas ! Para mim pessoas que batem e cometem qualquer tipo de violência contra qualquer ser humano, é um monstro, é pior que um bicho raivoso, peçonhento, ainda porque o ser que se diz humano é uma pessoa que pensa e faz as crueldades e perversidades com as pessoas de bens; seja quem for têm o direito de viver com liberdade e harmonia em seu viver; só que essas maldades são cometidas por monstros que são demônios que vivem incorporados nos vampiros que dizem ser gentes e não são gentes; são animais ferozes enviados pelo satanás!!!!! _Sai fora bicho ruim, desce para suas profundezas!!! Verás Teu o dia em que Deus vier eu tenho até pena desses malditos que estão aí cometendo tantas barbaridades !!! Demônios malditos!!!!! _Que Pena!
Autora: Adaildes Alves Moreira

Sabe o por que tem famosos que acham ruim pessoas aprecerem na net?

_Claro que eles  os famosos divulgam que as pessoas não podem expor as fotos na net, nem em qualquer outra rede social, porque só eles podem aparecer em qualquer mídia; e podem ter fotos na net, só eles se acham bonitos e no direito de serem fotografados e mostrados em públicos e pagam para isso e também recebem uma fortuna para se aparecerem, agora quando se trata de uma pessoa comum o recado é: Se preserve, cuidado com fotos expostas na net !!!! Enquanto a dos famosos são raridades, se você têm uma, ou consegue tirar uma com eles ficam famosos pro resto da vida...  E enquanto sua pessoa não tem presença, é considerado fotos sujas sem valores para mostrarem na mídia, pois o trabalhador leva até nisso, proibido aparecer em redes sociais ou ter fotos, ou ficar famosos !
E  quando vem um fotógrafo ou um Jornalista tirar as fotos deles ainda se escondem, sendo que são famosos, só tiram fotos para vender a mídia ! _E dizem: _ "aquele "paparáz " quase me pegou !!!"
Um absurdo !!!
Autora: Adaildes Alves Moreira

Se não gosta de aparecer, por que têm perfis e sites na net ?

Uma tremenda bobagem, quem não gosta de aparecer em sites, redes sociais para que fazem perfis? Sendo que não querem receber mensagens, não querem nem que ninguém veja a foto, nem manda mensagens para os seus amigos, ou quem está por traz da telinha  não aparece e se faz de uma pessoa e é outra???!!! Cada vez mais percebemos este tipo de situação, um absurdo, têm gente que deleta uma pessoa, ou fica zangado só porque o fulano, ou cicrano ou beltrano manda um recadinho, ou link ou uma mensagem... E quer ficar só no escuro, te observando, em tudo que você faz, mas a vida do indivíduo ou da individua que está ali por traz da tela ninguém pode saber quem é, ou quem são, e se fazem de vítimas!
Autora: Adaildes Alves Moreira
 

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

O que pode ser Bulingue/Bullying ?

http://livrostrechos.blogspot.com.br/2013/08/por-que-nao-bulingue-ao-inves-de.html

Os Professores sofrem de Bulingue! - Livros Páginas de ...

livrospaginasadaildes.blogspot.com/.../os-professores-sofrem-de-bulingu...

3 de fev de 2015 - Enquanto o valor do Professor não acontece, os Professores sofrem de Bulingue em suas vidas por falta de serem Valorizados como merecem ...
Você visitou esta página em 13/12/15.


Bulingue - Saraiva

www.saraiva.com.br/bulingue-8990382.html

Sinopse: Este livro pode ser utilizado por todas as faixas etárias como fonte de pesquisa, é um livro onde mostra muitos conceitos sobre a prática do bulingue, ...


_A palavra: Bulingue é uma criação minha, é de minha ...

https://plus.google.com/.../posts/1EBCB6LRviL

19 de nov de 2015 - _A palavra: Bulingue é uma criação minha, é de minha autoria, é tema e parte de meu livro. Por que não : Bulingue ao invés de Bullying?

Só sei que isso acontece em cada instante na vida das pessoas. O Bulingue/Bullying pode ser cometido por pessoas de muitas faces ou situações; pode considerar-se dos mais pesados aos mais leves. Com tudo isso é um problema sério que vem ocorrendo e cada vez mais existe uma máscara de que toda sociedade estão conscientes  dos desequilíbrios que o Bulingue/Bullying vem causando nas famílias do mundo todo, acontece de forma universal.
Primeiro: Quando o ser humano vive precariamente sem poder se alimentar, locomover-se, cuidar da saúde, ter uma boa Educação, vestir-se adequadamente, ter e frequentar ambientes sociais de lazeres agradáveis, poder brincar, dar o melhor para seus filhos e famílias, ter um bom teto com conforto, viajar, ver seus familiares, receber a limpeza das suas cidades, receber salários e trabalhos com dignidade, respeito e tudo que poder um ser humano receber, ele recebe rios de bulingues naturalmente na vida. 
Segundo: O Bulingue/Bullying não  trata-se somente de  apelidos, violência física , moral e mental, trata-se  e retrata o retrato precário em que as famílias vem vivendo no mundo, basta olhar a cada esquina, existem pessoas gente, gritando por socorro, socorro, socorro ! A fome dói, a falta de moradia dói, a falta de estrutura dói... E o Bulingue/Bullying na vida de quase todos do mundo dói , e o pior que esse tipo de situação e ação é cometida por pessoas, por gente que vivem para prejudicar o outro dentro da sociedade! 
Terceiro: O mundo falta melhorar, a condição de vida do ser  humano falta alcançar plenitude, enquanto as pessoas forem Bulinados e sem direitos a nada nesta vida, faltarás sempre um progresso de serem pessoas com estruturas e boa vida de  Humanização. E a questão é essa a Bulinação da vida das famílias deve acabar, porque as pessoas tem direitos de viver no mundo e com qualidade, com segurança, e se as portas, o progresso, a falta de Educação de qualidade, a falta de consciência, de sermos humanos, de querer o crescimento do outro falta sempre, a desordem e os "caos" do universo  serão sempre os Bulingues na vida de todos que vivem em sociedade !

Os Bulingues escritos em Língua Materna:

Bulingue, Bulimeto, Bulir, Bulinar: Palavras escritas na Língua Portuguesa Brasileira. Significados: Intimidação, causar incômodo, mexer, É toda ação  e intenção de mexer,  machucar; agredir,  seja: verbal, físico, Sexual, Moral, Social, Psicológico, Material, mental e Virtual; estas formas são consideradas  Bulingue;Bullying. Partindo disso existem vários sinônimos, antônimos e palavras que estão relacionadas a ser Bulingue/Bullying, como: Xingamentos, preconceitos, falta de respeito, assédios, perseguição, intimidação e muitos outros fatores...
Autora: Adaildes Alves Moreira

https://www.clubedeautores.com.br/books/search?utf8=✓&where=books&what=adaildes+alves+moreira&sort=&topic_id=